Sábado, 14 de Novembro de 2009

Freguesia de S. Vicente de Boim.123

 

A terceira freguesia do concelho de Lousada situava-se num vale 124 que mais parecia uma “campina raza, fria, mas saudável125 encaixada que estava entre alguns montes, principalmente, o monte de S. Jorge, a Nascente, e o monte de Bade a Norte.126 S. Vicente de Boim compreendia dezanove lugares: Boim, Marecos, Sedoura, Penedo, Outeirinho, Barroca, Sá, Eiras, Campos, Ermeiro, Gerovila, Assento da Igreja, Real, Arcas, Corgo, Costa, Carcavelos, Tunim, Vila Chã. E tinha setenta e três fogos e duzentos e trinta e oito habitantes.127

 

________________________________

 

123 - “Boim chamou-se antigamente Gui e depois Goi, e esta palavra celta significando - agarico -planta sagrada para esse povo primitivo, deixamos entrever em Boim ou Gui - a terra do agarico -solemnemente visitada pelos sacerdotes e povo celta, no sexto dia da lua no nevado mez de Dezembro. Era esse o dia marcado para a colheita da planta symbolica, a planta sagrada da nação guerreira, que os livros santos druidas só permitiam colher no sexto dia da lua de Dezembro. Assim explicada a etymologia de Boim, a imaginação vê surgir além, por entre as carvalheiras que fecham estes vales, a procissão solemne que vem á colheita do gui. Marcham na frente dois adivinhos cantando hymnos sagrados e balladas patrióticas, de uma profunda suavidade lyrica. Segue-os o arauto empunhando o cadaceo symbolico, e logo depôs os tres sacerdotes druidas com os instrumentoss necessários para o sacrifício. O pontifice magno, vestido de alva túnica de linho, fecha o religioso préstito, após o qual vem o povo, o grande visionário de todos os tempos, receber o talisman da ventura das mãos da religião. Chegam ao pé da arvore sagrada. O pontífice sobe ao carvalho e corta com a foice de oiro o gui, que os sacerdotes recebem em baixo, solemnente, no sagum branco, estendido em toalha. A cerimonia repete-se tantas vezes, quantas o sacerdote julga indispensável para poder distribuir pelo povo o agarico santo. A colheita findou, mas não concluiu a solemnidade. Ouvem-se mugir dois toiros brancos; são as victimas offerecidas ao bom Deus, que confiou o gui ao carvalho, para que este desse ao seu povo. Á immolação segue-se um esplêndido festim.” VIEIRA, José Augusto - o. c., p. 362 - 363. Cf. COSTA, Américo - o. c., p. 758 - 759.

124 - “Está situada em hum válle e circuitada pela parte do Nascente com alguns montes de pouca entidade e com permediação de outros pela parte do Norte, donde se descobre a povoação da villa de Arrifana de Souza que fica distante huma légoa.” I. A. N. /T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 7, fl. 955.

125 - LEAL, Augusto Soares d’ Azevedo Barbosa de Pinho - o. c., p. 407. Cf. I. A. N. /T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 7, fl. 955.

126 - I. A. N. T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 7, fl. 955.

127 - I. A. N. T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 7, fl. 956. Cf. COSTA, Américo - o. c., p. 759; BAPTISTA, João Maria - o. c., p. 680-881.

Era curato128 e a sua apresentação cabia ao Abade do mosteiro de Santo Tirso de Riba D’Ave, mosteiro que recebia de renda, anualmente, duzentos e cinquenta e seis mil réis.

O cura desta igreja tinha o rendimento do pé-de-altar129 e do passal,130 de quarenta e cinco mil réis, por ano. A igreja abrigava a irmandade de Nossa Senhora do Rosário, no altar do lado esquerdo, e aquela era privilegiada, por ter uma bula que se reformava de sete em sete anos.131 Ao Senhor dos Desamparados, que ficava no altar do lado direito, faziam os fregueses de Boim romaria quase todos os domingos e dias santos. E a vinte e três de Abril decorria a festa em honra de S. Jorge.132 No dia da sua romaria havia sermão e missa cantada na igreja paroquial, e procissão até à capela da mesma invocação, que ficava no alto do monte de S. Jorge. A imagem do santo estava colocada no altar do Santo Nome, da igreja paroquial. No fim da festa era levada da igreja até à capela onde estava a outra imagem do mesmo santo, e aí ficava até ao fim do dia.

No monte de S. Jorge, ao redor da capela, havia também feira de bois, uma vez que S. Jorge era o protector dos bovinos.133

________________________________

128 - Povoação pastoreada por um cura. COSTA, J. Almeida; MELO, A. Sampaio-Dicionário da Língua Portuguesa. 5ª edição, Porto: Porto Editora, LDA, [s/d], p. 403. Cf. Dicionário Enciclopédico Koogan Larousse Seleções. Lisboa-Rio de Janeiro-Nova Iorque: Selecções do Reader’s Digest, 1992, vol. I, p. 263.

129 - Rendimento que os párocos usufruem pelos serviços religiosos prestados aos paroquianos. COSTA, J. Almeida; MELO, A. Sampaio - o. c. , p. 1073.

130 - Terreno anexo à igreja ou à residência paroquial para rendimento do pároco. COSTA, J. Almeida; MELO, A. Sampaio - o. c. , p. 1064.

131 - I. A. N. /T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 7, fl. 956.

132 - “Santo fabuloso, originário da Capadócia. Guerreiro valente, salva a vida da filha do Rei matando o terrível dragão, que a queria devorar. Foi eventualmente martirizado de maneiras bizarras. A sua lenda foi rejeitada no século V por um concílio, mas persistiu e ganhou enorme popularidade no tempo das Cruzadas. Iconograficamente, é representado como um jovem imberbe, de armadura, tanto a pé como num cavalo branco, com cabelos compridos, um dragão aos pés e a lança quebrada. Tem por vezes uma espada nua e um estandarte branco com uma cruz vermelha.” TAVARES, Jorge Campos -Dicionário de Santos. 3ª Edição (revista), Porto: Lello Editores, 2001, p. 88. Cf. HALLAM, Elizabeth -Os Santos. 1ª edição. Lisboa: 1998, p. 88.

133 - A capela de S. Jorge vai ser erecta, muito mais tarde, precisamente nesse local, assim como a festa e a feira de bois aí vão surgir. I. A. N. /T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 7, fl. 957. Cf. COSTA, Américo - o. c., p. 758 -759; LEAL, Augusto Soares d’ Azevedo Barbosa de Pinho - o. c., p. 407; BAPTISTA, João Maria - o. c., p.680.

 

 

 



publicado por José Carlos Silva às 10:03 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Despedidas

Eleição e abdicação

Cruzeiros de S. Miguel

Memória Paroquial de Vila...

Caminhada à descoberta do...

Lousada e os seus cruzeir...

Capela de S. Cristóvão (S...

Capela de N. Srª de Apare...

Capelas Públicas de Lousa...

Bibliografia

arquivos

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

1791

1895

abdicação

alentém

auto de patrimonio

auto_de_património

caíde

camara

caminhada

caminho-_de_ferro

capela da casa de valmesio

capela de cam

capela de valmesio

capelas

capelas_públicas

capela_cam

capela_da_lama

capela_de_s. cristóvão

capela_de_stº andré

capela_srª_aparecida

capitão_mor

carta

casa

casa de real

casa-do_porto

casa_cáscere

casa_da_bouça

casa_da_lama

cazla_do_cáscere

comarca

consulta

contrato de obra

cristelos

cruzeiros

cruzeiros de covas

cruzeiros_de-casais

cruzeiros_de_cernadelo

cruzeiros_de_cristelos

cruzeiros_de_figueiras

cruzeiros_de_lodares

cruzeiros_de_stª_margarida

cruzeiro_de_pereiras

d. pinho brandão

deputado

despedidas

dia_internacional_monumentos_sítios

doação_para_património

doação_para_patrimonio

dote

eleição

escritura_legado

jose teixeira da mota

lindo

lodares

lousada

lúcia_rosa

meinedo

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nome

novelas

ordem

paroquial

patrimonio

património

património_rural-paisagístico

penafiel

plano_de_ seminário

ponte_nova

prazo

preservar

princípio_de_instituição

processo

quaresma

quintã

restauro

rota_do_românico

s. miguel

santa ana

secretario

sermões

soares_de_moura

sousela

tapada

vale_do_sousa

vilar-do_torno

vinculo

todas as tags

links

visitante
subscrever feeds