Sexta-feira, 9 de Abril de 2010

         A maior parte das capelas datam do séc. XVIII. Raras são aquelas que se podem datar no séc. XVII.

         Do séc. XIX só a capela do Sr. dos Aflitos e do séc. XX só a capela de St.º Amaro, que foi ampliada e transformada em 1981 numa capela moderna, já que na origem remontava ao séc. XVIII, era do tipo de S. Gonçalo de Macieira.

         Quase todas são de pequenas dimensões, exceptuando-se as capelas do Sr. dos Aflitos, Sr.ª Aparecida e N. Sr.ª da Ajuda.

         Normalmente localizam-se em locais, em pontos ou num ponto alto da freguesia, se calhar para estarem próximo de Deus ou para exorcizarem a apotropaicizarem, o espaço envolvente de entes malignos.

         Estão - na sua grande maioria - em locais isolados, longe da sede da freguesia (Sant’ Ana, S. Gonçalo - Lustosa, etc.).

         Há afinidades entre elas, a nível tipológico. A capela de St.º Ovídio, a capela de S. Gonçalo, a capela de N. Sr.ª da Conceição, a capela de St.ª Águeda, são constituídas por um alpendre, uma galilé, sustentado por colunas de granito ou de ferro (N. Sr.ª da Conceição), ou de cimento (S. Gonçalo - Lustosa).

         São quase todas construídas em granito.

         Com cruz latina.

         Com remates do entablamento piramidais.

         Na sua construção - arquitectura - nota-se um cunho popular (artistas da terra, da região, sujeita a condições sócio económicas, sem o “academismo” imposto, vindo dos grandes centros urbanos.

         Raras são as capelas que têm pia baptismal; excepto a capela de N. Sr.ª das Necessidades e do Sr. dos Aflitos.

         O estado de conservação das capelas Públicas é bom de uma forma global.

         Quase todas as capelas foram sujeitas, ao longo dos tempos, a obras de restauro e ampliação.

         Na sua grande maioria são - e estão - bem preservadas.

         A grande lacuna - nelas todas - é a falta de um adequado projecto de valorização. As capelas são - e quase só - conhecidas dos devotos de santo ou santa da sua invocação e dos habitantes da localidade onde está implantada. Mesmo as capelas da Vila não têm tido a projecção a que têm direito. A grande lacuna reside neste capítulo, assim como nos restauros que são realizados e que nem sempre obedecem ao rigor desejado.

 

 

 

 

 

 



publicado por José Carlos Silva às 23:37 | link do post | comentar

 

¨     Rocha, Manuel Joaquim Moreira da; A Reconstrução Da Capela de Canas em Broalhos - Atitude Devocional De Um Emigrada No Brasil No Século XVIII; Separata Da Revista Poligrafia N.º 5, 1996 - Centro de Estudos D. Domingos de Pinho Brandão.

¨    Silva, José Carlos Ribeiro da; As Capelas de Lagares, Porto, 1996, Universidade Portucalense Infante D. Henrique.

¨    Pereira, José Fernandes; Arquitectura Barroca Em Portugal - 1986.

¨    Almeida, Carlos Alberto Ferreira; Arquitectura Românica de Entre - Douro e Minho, Tese de Doutoramento policopiada, Porto, 1978.

¨    Fernandes, A. de Almeida; As Paróquias Suevas, Arquivo do Alto Minho, v., 2ª, sr., t.1, Viana do Castelo, 1967.

¨    À Descoberta de Portugal, Ed. Selecções do Reader’s Digest, 1982, pp. 106-107.

¨    Novais, Manuel Pereira de; Anacrisis Historial - Episcopológio, Vol. I, Porto, 1916, p. 295 e seguintes.

¨    Oliveira, Padre Miguel de; As Paróquias Rurais Portuguesas.

¨    Moreira, Padre Domingos A.; A “Divísio Theodomiri”: Os Dois Portucale.

¨    Magalhães, Arlindo; Área Cultural - Revista, “Refazer os Passos do Caminho”.

¨    Ferreira, José Fernando Coelho; As Freguesias do Bispado de Penafiel, Ed. Câmara Municipal de Penafiel.

¨    À Descoberta de Portugal; Ed. Selecções Reader’s Digest, 1982.

¨    Moutinho, Mário; A Arquitectura Popular Portuguesa, Ed. Estampa, 1979, Lisboa.

¨    A População e a Propriedade na Região de Guimarães Durante o séc. XII (Actas do Congresso Histórico de Guimarães e sua Colegiada), Guimarães, 1981.

¨    Brandão, D. Domingos Pinho, Algumas das Mais Preciosas e Belas Imagens de Nossa Senhora na Diocese do Porto, 1988.

¨    Lucena, Armando de; A Arte Sacra em Portugal, 1946, s/d, 2vol.

¨    Gil, Júlio; As Mais Belas Vilas e Aldeias de Portugal, Ed. Verbo, 4ª Ed. 1984.

¨    Haupt, Albrecht, A Arquitectura do Renascimento em Portugal, ed. Presença, 1986.

¨    Chué, François, Alegria do Património.

¨    Ferreira, José Fernando Coelho; As Freguesias do Bispado de Penafiel, Penafiel, 1987, Separata “confluência” - 3.

¨     Santos, Geralda Maria Marques Ferreira dos; A Freguesia de S. Martinho de Arrifana de Sousa de 1700 - 1729.

¨    Alves, Natália do Carmo M. F.; A Arte da Talha no Porto, na Época Barroca: artistas e clientela, materiais e técnica, 1986, 2 vol. Porto.

¨    Tavares, Lindolfo Jorge de Matos; A prática da Via-Sacra no Período Barroco na Diocese do Porto - Tese de Seminário, Universidade Portucalense Infante D. Henrique, Porto, 1992/93.

¨    Autarcas e Autarquias 1997, Ed. Suplementária, Jornal Pública, n.º 2590.

¨    Anuário, 1951.

¨    Matoso, José; As Inquisições de 1258 Como Fonte de História da Nobreza, o Julgado de Aguiar de Sousa, 1982.

¨    Alves, Natália Marinho Ferreira, Breve Ensaio sobre A Obra de Miguel Francisco da Silva (Revista Poligrafia - 2), 1993.

¨    Boletim do Lar de Sousa Freire, supl. Do Jornal de Lousada, 1991.

¨    Baptista, João Maria; Coreografia Moderna do Reino de Portugal.

¨    Conhecer Portugal - Geografia, Cultura e História Editor - Victor Civita, 1982.

¨    Colecção “Portugal Passo a Passo” - Douro Litoral. Ed. Clube Internacional do Livro.

¨    Colecção Mobil nos Caminhos de Portugal. Ed. Mobil Oil Portuguesa, 1987.

¨    Caminho dos Guias de Portugal, Ed. Presença 1990.

¨    Caminho dos Conquistadores, Direcção Geral de Turismo, 1994.

¨    Correia, J.; Cidades e Vilas de Portugal - lousada Setembro de 1956.

¨    Freitas, Eugénio de Andrea da Cunha e, Capelas de S. Domingos do Porto. Vol. 1, Porto, 1939.

¨    Araújo, J. de; Capela de N. Sr.ª do Desterro na Freguesia do Monte da Ilha da Madeira. Vol. I, 1942.

¨    Costa, Padre António Carvalho da; Corografia Portugueza; Braga, 1868.

¨    Cunha, D. Rodrigo da; Catálogo e História dos Bispos do Porto, Porto, 1623.

¨    Grave, João; Censual do Cabido da Sé do Porto, 1929.

¨    Lacerda, João de; Corografia de Portugal, 1841.

¨    Ferreira, Deusdado; Chorografia de Portugal Illustrada, 1893.

¨    Soeiro, Teresa; Cidades e Vilas de Portugal,  Penafiel; Ed. Presença, 1994.

¨    Figueiredo, A. Lopes de; Cidades, Vilas e Casas do Minho, Braga, 1873.

¨    Chaves, Luis; Capelas, Ermidas, Oratórias e...

¨    Pinto, José Marcelo Sanches Mendes; Carta Arqueológica de Lousada, Ed. C. M. Lousada, 1992.

¨    Costa, Américo; Dicionário Corográfico.

¨    Cardoso, Padre Luiz; Dicionário Geográfico, 1742.

¨    Dicionário Encicolpédico da História de Portugal, Ed. Selecções do Reader’s Digest S.A., 1990.

¨    Michel, V.; Diccionaire D’ Archéologie Chrétinneet de Liturgies.

¨    Attwater, Donald, Dicionários de Santos.

¨    Dicionário de História da Igreja em Portugal, Ed. Resistência.

¨    Pereira, Esteves; Rodrigues, Guilherme; Dicionário Histórico, Numismático e Artístico; 1907.

¨    Douro - Novos Guias de Portugal, Ed. Presença.

¨    Raposo, Francisco Hipólito; Douro Litoral, Ed. Clube Internacional do Livro, 1994.

¨    Chievers, Ian; Osborne, Harald e Farr, Dennis; Dicionário de Arte.

¨    Neves, João Couto; Dicionário para Administração das Reguesias, Vol I, Livraria Almedina, Coimbra.

¨    Custódio, Jorge; Dar Futuro ao passado, IPPAR, 1993.

¨    Pereira, Fernandes Jasmim; Descrição dos Patrimoniais Eclesiais. O Caso das Ordens Regionais, 1983.

¨    Chagas, Manuel Pinheiro; Dicionário Popular, Histórico, Geográfico, Mitológico, Biográfico, Artístico, Bibliográfico e Literário, 1886.

¨    Azevedo, Rui, Documentos Medievais Portugueses, 1958 - 1961.

¨    Smith, Edward Lucie; Dicionário de Termos de Arte, Publicações Dom Quixote, 1995.

¨    Viterbo, Sousa; Dicionário dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses.

¨    Rocha, Manuel Joaquim Moreira da; Espaços de Culto Público e Privado Nas Margens do Douro: Uma Abordagem - Separata da Revista Poligrafia N.º 5, 1996.

¨    Navais, Frei Manuel; Episcopolegio da Santa Igreja do Porto, 1690.

¨    Moreira, Domingos A.; Enquadrmento Onomástico de “Meinedo”, Porto, 1963.

¨    Moreira, Domingos A.; Estudo Onomástico Sobre Alguns Rios a Norte e Sul do Douro, 1987.

¨    Vasconcelos, J. Leite de; Etnografia Portuguesa, Tentame de Sistematização. Vol. I, INCM., 1980.

¨    Elucidário.

¨    ExpoMark - Distrito do Porto, 1992/93.

¨    David, Pierre; Études Historiques - Critique du Parochiale.

¨    Enciclopédia Luso-Brasileira, Vol. XII.

¨    Ecos, N.º 17 - Direcção Geral de Educação/Coordenação Distrital do Porto.

¨    Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, Vol. 12, Ed. Verbo.

¨    Florez, Fr. Henrique, Espanha Sagrada, Tomo XXI, 1766.

¨    Moreira, Padre Domingos A.; Freguesias da Diocese do Porto, Boleti Cultural Da CMP, 1973.

¨    Correia, António; Folha Cultural - Supl. Do Jornal TVS.

¨    Marques. A. H. oliveira; Guia do Estudante na Idade Média.

¨    Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Tomo XV.

¨       

 SILVA, José Carlos Ribeiro da - As Capelas Públicas de Lousada, U. Portucalense, 1997



publicado por José Carlos Silva às 23:33 | link do post | comentar

PLANO DO SEMINÁRIO

Inventário das Capelas Públicas do Concelho de Lousada

- Vertente Arquitectónica.

 

1- Introdução.

2- Caracterização do Concelho de Lousada - Aspectos geomorfológicos - um pouco da sua história.

3- Metodologia - Bibliotecas a consultar (Biblioteca Municipal do  Porto, Depósito de Livros, Jornais, etc., de Lousada, Biblioteca Municipal de Penafiel, Paços de Ferreira, Paredes, etc.)

ÞPeriódicos/Semanários - Jornal de Lousada, TVS., Novas do Vale de Sousa, Repórter do Marão, O Heraldo, Vida Nova, etc.

ÞCapelas.

ÞFichas.

ÞFotografia.

ÞReunir o maior número de dados.

ÞReunir o máximo de informação.

ÞDificuldades.

4- As Capelas de Lousada - freguesia por freguesia (leituras de conjunto).

ÞAspecto arquitectónico.

ÞAspecto artístico (interior, exterior).

ÞTipologias.

5- Breves considerações sobre o Património inventariado.

6- Conclusões.

7- Anexos.

8- Bibliografia. 

Data  de apresentação  - 15 de Setembro.

 

 SEMINÁRIO - As Capelas Públicas de Lousada.

 

         1-Levantamento Bibliográfico - (B. M. Porto) Jornais locais, essencialmente o Jornal de Lousada (1907) - refere-se a várias capelas, mais às que estão perto ou no centro da Vila de Lousada e que foram objecto de obras e melhoramentos.

         O concelho tem 26 freguesias - Há freguesias com uma ou mais capelas (nunca mais de três na mesma freguesia). E há freguesias que não têm nenhuma capela pública.

         Há freguesias que não têm capelas públicas Caíde de Rei, Vilar do Torno e Alentém, St.ª Eulália de Barrosas. Há capelas que já existiram e hoje estão em ruínas (S. Brás - Caíde, St.º António - Sousela, etc.) ou desapareceram mesmo. Há referências delas nos jornais (locais) e nos dicionários corográficos - Padre Carvalho, Pinho Leal, Américo Costa, etc.).

         O Jornal de Lousada - É a minha principal fonte - refere-se, em artigos publicados nas suas páginas, às obras e melhoramentos introduzidos e realizados nesta ou naquela capela ao longo do tempo, assim como as datas de construção e um ou outro contrato estabelecidos com os mestres de obras, etc.

         Os outros jornais consultados (TVS., NVS., RM., etc.), forneceram elementos do mesmo teor.

         O Levantamento Bibliográfico - está quase no fim, está praticamente na sua fase final. A consulta a obras, dicionários corográficos, folhetos, revistas, etc., sob o concelho de Lousada está a terminar.

 

 

         2- Levantamento de Campo - (trabalho...) ainda não está concluído. Fotografar e tirar notas de perto de meia centena de capelas não é fácil, nem rápido.

         Contudo estamos perto do seu fim. Poucas (meia dúzia de freguesias) são as capelas que ainda não foram estudadas.

         O concelho de Lousada é muito rico em capelas públicas (e particulares - belos exemplares - mas que fogem ao âmbito deste Seminário, só capelas públicas).

         As capelas públicas de Lousada estão bem preservadas - na sua grande maioria. Os párocos, as confrarias, e as Comissões Fabriqueiras têm tido máximo cuidado em proceder ao seu restauro sempre que necessário (a população dá o seu contributo para as obras de restauro); o exemplo mais recente e actual é o restauro que está a ser realizado na capela de St.ª Águeda - Sousela.

         A única Valorização que propomos é uma melhor, maior e mais eficaz iluminação exterior das capelas (quase nenhuma tem focos dirigidos de forma a realçar os seus belos traços arquitectónicos), assim como placas de sinalização, a indicarem (correctamente) a sua existência e, o melhor percurso para atingir o local onde se encontra erigida (normalmente no cimo de um monte ou colina).

         Também era de bom tom um folheto explicativo narrando e alertando para a existência de capelas, nas sedes de juntas de freguesias, nos serviços paroquiais e no Posto de Turismo do concelho de Lousada (na sede da Vila).

         3- O meu Seminário está pois, numa fase tipo “diamante em bruto”, em que só a partir de agora, isto é, mais duas ou três semanas, começará a ser devidamente “lapidado”, isto é, só a partir dessa altura poderei iniciar o dito processo final, ou seja, o processo de síntese. 

         Para além de uma abordagem às realidades intrínsecas do concelho de Lousada, estudarei as capelas públicas de Lousada - freguesia a freguesia - na sua vertente Arquitectónica.

         Posso referir, antecipadamente, que as capelas públicas em estudo, compreendem um espaço de tempo que medeia os finais do séc. XVII e vai até aos finais do séc. XIX.

         Há também freguesias que no séc. XVII - XVIII tinham capelas públicas - que serviram de local de culto enquanto as actuais igrejas eram construídas e hoje não existem (existem referências bibliográficas).

         O trabalho de Seminário será mais um largo conjunto de Fichas de Inventário (vertente arquitectónica), fichas de diferentes matrizes, para além de uma cuidada referência ao concelho de Lousada - suas origens, sua história e seu património (nas suas diferentes realidades, mas em sinopse).

        

         Obs.: Em anexo (ao Seminário) aparecerão, em princípio, exemplares de capelas particulares e/ou interiores de algumas capelas públicas, para termos uma visão mais realista da riqueza e da Arte Sacra do concelho de Lousada, verificando-se uma beleza e grandiosidade ímpar.

         Por último, é minha convicção que até ao dia 15 de Setembro entregarei o trabalho de Seminário ao meu orientador  - Dr. Manuel Joaquim Moreira da Rocha.[Hoje Prof. Doutor, e na FLUP, foi meu Co-orientador na minha tese de mestrado: «A Casa Nobre No Concelho de Lousada».

 

                                               Porto, 18/4/97



publicado por José Carlos Silva às 23:09 | link do post | comentar

O Cruzeiro Paroquial

 

Situa-se no lugar da Igreja, no meio de um entroncamento, em local sobranceiro e aproximadamente a duzentos metros da Igreja matriz.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito.

Desconhece-se a data em que foi edificado.

Encontra-se em bom estado de conservação.

A cruz é quadrangular, golpeada nas pontas e assenta sobre um globo que mais parece uma pinha.

O capitel é de ordem toscana.

O pedestal é composto pela cornija, dado cúbico e soco. A cornija e o soco são mais salientes que o dado.

A plataforma é quadrangular e de um só degrau, mas pode ainda ver-se vestígios de um segundo degrau.

Este Cruzeiro é um dos mais belos e monumentais do concelho.

 

 O Cruzeiro do Cemitério

 

Está implantado no meio do Cemitério, sito no lugar da Igreja.

É propriedade da Junta de Freguesia de Lousada (Santa Margarida).

Construído em granito e em data que se desconhece.

Esta em bom estado de conservação.

A cruz é alta e assenta directamente no fuste. A cruz tem um crucifixo em metal.

O fuste é oitavado na sua quase totalidade, pois junto à plataforma é quadrangular.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

 

 O Cruzeiro do Lugar da Capela

 

 Situa-se na margem direita da estrada nacional Lousada/Barrosas, no lugar da Capela.

É um Cruzeiro de limite de Capela, pertencia à Capela da Casa de S. José que foi destruída.

Actualmente é propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito em data que se desconhece.

O estado de conservação é razoável.

A cruz é latina e quadrangular e a encimá-la tem uma série de volutas, o que lhe dá um aspecto de Cruzeiro com coroa. A cruz está ornamentada com um desenho em forma de sol e toda ela está repleta de losangos.

O fuste assenta sobre a cornija. O pedestal, além da cornija, é também composto pelo dado.

 

 O Cruzeiro da Capela de Santo Amaro

 

Está edificado no topo nascente do Adro da Capela de Santo Amaro, sita no lugar com o mesmo nome.[4]

É um Cruzeiro de limite de Capela construído em granito.

Está em bom estado de conservação.

É um Cruzeiro robusto, sem ser artístico ou elegante, mas belo na sua rudeza.

A cruz é latina, quadrangular e simples.

O fuste é quadrangular nas partes laterais e diminuído na central.

O pedestal é formado pela cornija e pelo dado cúbico.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

Este Cruzeiro é um dos mais sóbrios do concelho.

 

 

VIEIRA, Leonel - Os Cruzeiros de Santa Margarida, U. Portucalense, 2004



publicado por José Carlos Silva às 22:59 | link do post | comentar

 O Cruzeiro do Cemitério

 

Encontra-se sensivelmente ao meio do Cemitério, sito no lugar da Igreja.

É propriedade da Junta de Freguesia de Lodares.

Construído em granito,  desconhecendo-se a data em que foi edificado.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é quadrangular e assenta na base que, por sua vez, sobrepuja o pedestal. A haste vertical é mais alongada que a horizontal.

O pedestal é composto pela cornija e pelo dado cúbico.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus, um deles está parcialmente soterrado.

O Primeiro Cruzeiro da Via-Crusis

 

 Está colocado na Mata do Passal, em local elevado e sobranceiro, mesmo em frente à Igreja matriz. Este Cruzeiro é igual ao sexto da mesma Via-Crusis.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito e em data que se desconhece, tal como toda a Via-Crusis.

Está em razoável estado de conservação.

A cruz é latina, quadrangular e estriada. A haste vertical é mais alongada que a horizontal.

A cruz assenta na cornija.

O pedestal é composto pela cornija e pelo dado cúbico.

 

 O Segundo Cruzeiro da Via-Crusis

 

Situa-se na mesma  Mata do Passal.

Este Cruzeiro é igual ao terceiro, quarto e quinto da mesma Via-Crusis.

Encontra-se em razoável estado de conservação.

A cruz é alta, quadrangular e assenta na cornija. A haste vertical é mais comprida que a horizontal.

O pedestal compõe-se pela cornija, pelo dado cúbico que está praticamente enterrado.

 

 

  O Sétimo Cruzeiro da Via-Crusis

 

Encontra-se na mesma Mata do Passal e é um dos mais interessantes deste conjunto.

Está em razoável estado de conservação.

A cruz é embolada, estriada e a encimar a haste vertical há um tipo de “capitel” que não se consegue definir. A haste vertical é muito mais alongada que a horizontal e assenta na cornija.

O pedestal é composto pela cornija e pelo dado cúbico. O dado praticamente enterrado está ornamentado com flores nas suas quatro faces.

 

 

 O Oitavo Cruzeiro da Via-Crusis

 

 Situa-se na mencionada Mata do Passal. Este Cruzeiro é igual ao nono, décimo, décimo primeiro, décimo segundo e décimo terceiro da mesma Via-Crusis.

Está em razoável estado de conservação.

A cruz é latina, quadrangular, estriada e assenta na cornija. A haste vertical é mais alongada que a horizontal.

O pedestal é composto pela cornija e pelo dado cúbico.

Ao contrário dos Cruzeiros anteriores, o dado destes é bem visível e as estriadas só aparecem na face da haste vertical.

 

 O Décimo Quarto Cruzeiro da Via-Crusis

 

Encontra-se na referida Mata do Passal e é o Cruzeiro que se situa no ponto mais alto da Via-Crusis.

Está em ruínas. Precisa urgentemente de ser reabilitado.

Apesar do seu aspecto degradante percebe-se que se trata de um imponente Cruzeiro.

No local ainda é possível ver uma pequena parte do fuste que assenta na plataforma.

A plataforma é quadrangular e tem três degraus, sendo que um está quase todo soterrado.

 

 VIEIRA, Leonel - Os Cruzeiros de Lousada, U. Portucalense, 2004

 

 

 


 



publicado por José Carlos Silva às 22:50 | link do post | comentar

O Cruzeiro Paroquial

 

 Está colocado no meio de um entroncamento, junto ao Cemitério, no lugar da Igreja.

É propriedade da Igreja Católica.

É um belo Cruzeiro construído em granito.

Desconhece-se a data da sua construção.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é latina, quadrangular e assenta no capitel com ornatos em forma de meia-lua.

Entre o capitel e o fuste, na parte inferior, surge um colarinho e uma gola.

O fuste é circular e assenta numa base esférica.

O pedestal é constituído pela cornija, pelo dado e pelo soco.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

 

O Cruzeiro do Cemitério

 

 Está edificado a meio do topo norte e próximo do muro do Cemitério, sito no lugar da Igreja.

É propriedade da Junta de Freguesia de Figueiras.

Construído em granito em data que se desconhece.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é circular e as pontas terminam em bico. No capitel hexagonal assenta a cruz.

O fuste sobrepuja a base e também é hexagonal.

O pedestal achanfrado é constituído pela cornija, pelo dado e pelo soco.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

 

 O Cruzeiro do Penedo do Sol

 

 Este incaracterístico Cruzeiro está edificado num local ermo, em cima de um penedo denominado “Penedo do Sol”. O penedo tem forma cónica e está repleto de incisões.

É propriedade da Casa de Rio de Moinhos.

Construído em granito e em data desconhecida.

Apesar de parecer estar abandonado, está em muito bom estado de conservação.

Tem uma cruz hexagonal que assenta numa pequena base quadrangular. A haste vertical é mais alongada que a horizontal. As faces são hexagonais, sendo que a haste vertical é quadrangular na sua parte inicial, junto à plataforma que é o penedo.

Ao observarmos este Cruzeiro somos levados a concluir que se trata de um fenómeno de sacralização de um espaço pagão. 

 

 

 VIEIRA, Leonel - Os Cruzeiros de Lousada, U. Portucalense, 2004

 

 

 

 

 



publicado por José Carlos Silva às 22:46 | link do post | comentar

O Cruzeiro Paroquial

 

 Situa-se no topo poente do adro da Igreja matriz.

É propriedade da Igreja Católica.

Este interessante Cruzeiro foi construído em granito no longínquo ano de 1660.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é latina e assenta no capitel.

A coluna é constituída pela base, pelo fuste circular e pelo capitel quadrangular. Entre o capitel e o fuste surge um colarinho e uma gola.

O pedestal é composto pela cornija, dado e soco. É no dado que se pode ler a data da construção.

A plataforma é quadrangular e tem três degraus.

 

 O Cruzeiro do Cemitério

 

 Está edificado no centro do Cemitério, sito no lugar da Igreja.

Este Cruzeiro é propriedade da Junta de Freguesia de Cristelos.

Construído em granito.

Desconhece-se a data da sua construção.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é apontada e estriada, sendo as pontas em forma de diamante. A haste vertical é muito mais alongada que a horizontal.

A cruz assenta na base da coluna.

O pedestal é quadrangular com gorgeira e é constituído pela cornija, pelo dado e pelo soco.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

 

 O Cruzeiro da Capela da Senhora da Conceição

 

Este Cruzeiro situa-se no topo nascente da Capela da Senhora da Conceição, sita no lugar do Souto.[3]

É um Cruzeiro de limite de Capela e pertence à Igreja Católica.

Construído em granito em data que se desconhece.

Está em razoável estado de conservação.

A cruz é circular, maçanetada e assenta no capitel.

O capitel é quadrangular e simples.

O fuste é circular.

O pedestal é bastante original. É formado pela cornija que parece uma mesa, pelo dado e pelo soco.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

 

 VIEIRA, Leonel - Os Cruzeiros de Lousada, U. Portucalense, 2004

 

 



publicado por José Carlos Silva às 22:41 | link do post | comentar

O Cruzeiro Processional

 

 Edificado no meio do entroncamento e junto à estrada nacional Lousada/Paços de Ferreira, no lugar do Paço.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito a 17 de Fevereiro de 2002.

Está em muito bom estado de conservação.

A cruz é latina e assenta num globo.

O fuste assenta na base da coluna e é diminuído em parte, pois o primeiro terço inferior é quadrangular e simples.

O pedestal é composto pela cornija e pelo dado. Na face do dado está gravado um ornato em forma de losango.

A plataforma é quadrangular com um degrau de arestas vivas. À volta desta plataforma estão quatro pequenos pilares quadrangulares ligados por cadeados em ferro.

 

 O Cruzeiro do Cemitério

 

 Está edificado a meio do topo poente do Cemitério, sito no lugar do Monte do Senhor do Alívio.

É propriedade da Junta de Freguesia de Covas.

Construído em granito e em data que se desconhece.

Encontra-se em razoável estado de conservação.

O pedestal é composto pelo dado cúbico e pela cornija. A cruz macenetada assenta na cornija. A haste vertical é mais comprida que a horizontal. As faces das hastes têm incisões de vários desenhos, alguns deles geométricos.

A cornija mais parece um dado em ponto pequeno.

 

O Cruzeiro Paroquial da Capela da Senhora do Amparo

  

Situa-se a cem metros da Capela da Senhora do Amparo, lado poente, no lugar da Senhora do Amparo e num local sobranceiro a parte do Vale Mesio.

É propriedade da Igreja Católica

Construído em granito no ano de 1722, tal como a Via-Crusis.

Está em péssimo estado de conservação.

A cruz é latina, quadrangular e falta-lhe a parte superior da haste vertical.

Entre o capitel quadrangular e o fuste há um colarinho e uma gola.

A base e o fuste são circulares. O dado é cúbico.

A plataforma é quadrangular e tem três degraus.

 

 O Cruzeiro Via-Crusis

 

Encontra-se no monte contíguo à Capela do Senhor do Alívio, lado poente.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito no ano de 1722.

Encontra-se parcialmente destruído.

O fuste quadrangular assenta na cornija do dado cúbico.

A parte superior da haste vertical está derrubada, tal como a haste horizontal, que se encontra aos pés do Cruzeiro

Poucos metros abaixo há outro Cruzeiro que está derrubado e que pertence à mesma Via-Crusis.

 

 

 O Cruzeiro Via-Crusis

 

Localiza-se no interior de um pequeno jardim privado, no lugar de Casas Novas.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito no ano de 1722.

Encontra-se em razoável estado de conservação.

A cruz é quadrangular. A haste horizontal está danificada e é mais curta que a vertical. Esta última tem incisões. Na coluna além de incisões também podemos ver a data em que foi edificado.

O dado é cúbico e está praticamente soterrado.

 

O Cruzeiro Via-Crusis

 

 Está situado no monte, a nascente da Capela da Senhora do Amparo de onde dista aproximadamente cem metros.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito no ano de 1722.

Encontra-se em bom estado de conservação.

Tem uma cruz macenetada, quadrangular e tem vários símbolos esculpidos (losangos, turquês, martelo, escada, olhos, desenhos geométricos). A haste vertical é muito mais alongada que a horizontal.

O fuste assenta num dado cúbico que tem na face palavras e números que não se conseguem decifrar.

A plataforma é quadrangular e tem um degrau que está praticamente soterrado.

 

 

 

 Vieira, Leonel - Os Cruzeiros de Lousada, Universidade Portucalense, 2004

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 



publicado por José Carlos Silva às 22:36 | link do post | comentar

O Cruzeiro Paroquial

 

Edificado no meio de um alto e sobranceiro entroncamento, no lugar do Cruzeiro e aproximadamente a duzentos metros da Igreja matriz.[1]

Este belo Cruzeiro é propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito.

Desconhece-se a data da sua construção.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é ponteada.

O fuste é octogonal, assenta numa base e termina num capitel singelo.

O pedestal é constituído pela cornija e pelo dado cúbico. No dado há incisões indecifráveis.

A plataforma é quadrangular e tem três degraus.

 

O Cruzeiro do Cemitério

 

Situa-se a meio do muro do topo nascente do Cemitério, no lugar da Igreja.

É propriedade da Junta de Freguesia de Cernadelo.

Construído em granito.

Desconhece-se a data em que foi erigido.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é oitavada, tem as arestas diminuídas e faz lembrar a cruz de Cristo.

O fuste é octogonal e assenta num dado quadrangular

 


Vieira, Leonel - Os Cruzeiros de Lousada, Universidade Portucalense, 2004


publicado por José Carlos Silva às 22:31 | link do post | comentar

O Cruzeiro Paroquial

 

Ergue-se no Adro, mesmo em frente da Igreja matriz.

É propriedade da Igreja católica.

Construído em granito no ano de 1809.

Está em bom estado de conservação.

A cruz primitiva partiu-se. A actual é mais baixa cinquenta centímetros.

Trata-se de uma cruz vazia que tem incisões e assenta numa base.

O pedestal é composto pela cornija, pelo dado e pelo soco.

A plataforma é quadrangular e tem dois degraus.

Este Cruzeiro integra a via-crusis da freguesia.

 

 O Cruzeiro do Cemitério

 

É um magnífico Cruzeiro. Encontra-se adossado a meio do muro no topo norte do Cemitério, sito no lugar da Igreja.

É propriedade da Junta de Freguesia de Casais. Construído em granito no ano de 1725.

Está em bom estado de conservação.

É um cruzeiro de crucifixo, com a imagem em granito de Cristo crucificado. A cruz é embolada e quadrangular na haste horizontal e latina e quadrangular na haste vertical. No topo da haste vertical estão gravadas as iniciais JNRJ. Na haste vertical estão esculpidos os ossos e a caveira em cruz – símbolos da morte.

O fuste assenta numa base octogonal.

O pedestal é composto pela cornija, pelo dado e pelo soco.

A plataforma é quadrangular e tem quatro degraus. Um dos degraus está praticamente soterrado.

Este Cruzeiro é exemplar único no concelho de Lousada.

 

O Cruzeiro da Capela de Santo António

 

Ergue-se no Adro da Capela de Santo António, sita no Lugar de Casais e a pouco mais de setecentos metros da Igreja matriz.

Este Cruzeiro integra a Via-Crusis de Casais.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito.

Desconhece-se a data da sua construção.

Está em bom estado de conservação.

A cruz é latina.

O capitel é quadrangular e muito simples.

O fuste assenta sobre o dado cúbico. O fuste é oitavado e diminuído, mas junto ao dado e ao capitel é quadrangular.

A plataforma é quadrangular e tem três degraus, sendo que um está totalmente soterrado.

 

 A Via-Crusis

 

 Esta via-crusis da Capela do Calvário ou do Calvário tem dez cruzeiros de via-sacra no adro da Capela da Nossa Senhora do Calvário e dois no caminho de acesso. Quanto aos outros dois, como atrás foi referido, um é o Cruzeiro sito junto à Capela de Santo António e o outro o que se encontra do Adro da Igreja. É neste último que se inicia a via-sacra.

Os doze últimos Cruzeiros da via-crusis são todos iguais. A cruz é latina, quadrangular e a haste vertical é mais alongada que a horizontal.

A cruz assenta num pequeno dado cúbico.

São propriedade da Igreja Católica.

Construídos em granito.

Desconhece-se a data da construção, mas em meados deste ano sofreram obras de restauro, por isso estão em bom estado de conservação.

Curiosamente, apesar da via-crusis terminar no lugar do Calvário, não tem calvário.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por José Carlos Silva às 22:15 | link do post | comentar

A freguesia de Caíde de Rei é das maiores do concelho, mas apenas tem um Cruzeiro, que se situa no lugar de Pereiras, a duzentos metros da Igreja matriz.

É um Cruzeiro Paroquial.

É propriedade da Igreja Católica.

Construído em granito no ano de 1940.

Está em bom estado de conservação.

A cruz duplamente aguçada assenta no capitel em forma de anel espalmado.

O fuste é circular.

O pedestal é formado pelo dado cúbico e pela cornija. É no dado que se pode ler a data da construção.

A plataforma é quadrangular e formada por dois degraus.

 

VIEIRA, Leonel - Os Cruzeiros de Lousada, Universidade Portucalense, 2004


publicado por José Carlos Silva às 22:09 | link do post | comentar

Cerca de trinta mil é o número de moinhos que existem em todo o território português: de vento e de água. No ano de 1962 existiam 2895 de vento e 31 903 de água. A verdade é que a maioria se encontra ao abandono e outros tantos em ruínas.

A década de sessenta e setenta do século vinte foi fatal para este tipo de património edificado, pois muitos foram aqueles que partiram «para a guerra colonial e outros emigraram, deixando os moinhos ao abandono. Com a industrialização, deixou de ser rentável. Foi o fim de uma estrutura produtiva», afirma Jorge Miranda, da Rede Portuguesa de Moinhos, ao Diário de Notícias de hoje. E o caminho mais correcto é recuperá-los para o turismo rural, fomentando projectos integrados de desenvolvimento entre autarquias e empresas, no sentido da sua salvaguarda, preservação, assim como dinamização cultural e interacção com o meio: as actuais gerações (e as vindouras) devem ter a noção do que é uma unidade moageira – um moinho. Por outro lado é um núcleo ou núcleos museológicos que são criados, emprestando ao concelho ou à região um valor acrescentado.

Lousada encerra inúmeros moinhos a merecer o olhar, a atenção de quem de direito, para que este belo património não desapareça, pelo contrário, renasça. No Vale de Sousa existem múltiplos exemplos deste milenar património a merecer a atenção de autarcas e outros responsáveis.

O património é memória colectiva: memória de todos, memória que urge cuidar e preservar. E os moinhos são património, logo memória, que urge cuidar, que urge preservar.



publicado por José Carlos Silva às 14:07 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Despedidas

Eleição e abdicação

Cruzeiros de S. Miguel

Memória Paroquial de Vila...

Caminhada à descoberta do...

Lousada e os seus cruzeir...

Capela de S. Cristóvão (S...

Capela de N. Srª de Apare...

Capelas Públicas de Lousa...

Bibliografia

arquivos

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

1791

1895

abdicação

alentém

auto de patrimonio

auto_de_património

caíde

camara

caminhada

caminho-_de_ferro

capela da casa de valmesio

capela de cam

capela de valmesio

capelas

capelas_públicas

capela_cam

capela_da_lama

capela_de_s. cristóvão

capela_de_stº andré

capela_srª_aparecida

capitão_mor

carta

casa

casa de real

casa-do_porto

casa_cáscere

casa_da_bouça

casa_da_lama

cazla_do_cáscere

comarca

consulta

contrato de obra

cristelos

cruzeiros

cruzeiros de covas

cruzeiros_de-casais

cruzeiros_de_cernadelo

cruzeiros_de_cristelos

cruzeiros_de_figueiras

cruzeiros_de_lodares

cruzeiros_de_stª_margarida

cruzeiro_de_pereiras

d. pinho brandão

deputado

despedidas

dia_internacional_monumentos_sítios

doação_para_património

doação_para_patrimonio

dote

eleição

escritura_legado

jose teixeira da mota

lindo

lodares

lousada

lúcia_rosa

meinedo

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nome

novelas

ordem

paroquial

patrimonio

património

património_rural-paisagístico

penafiel

plano_de_ seminário

ponte_nova

prazo

preservar

princípio_de_instituição

processo

quaresma

quintã

restauro

rota_do_românico

s. miguel

santa ana

secretario

sermões

soares_de_moura

sousela

tapada

vale_do_sousa

vilar-do_torno

vinculo

todas as tags

links

visitante
subscrever feeds