Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

 

            Como anteriormente referimos, a casa nobre lousadense fixou-se nas proximidades dos Rios Sousa e Mesio, devendo-lhe em parte a sua expansão. Partindo deste princípio, agrupamos as vinte e duas casas nobres em dois grupos: Casas construídas na área do Rio Sousa e Mesio.

 

 Casas construídas na área do Rio Sousa.

 

Casa Grande de Vilela.

 

         Manuel Pinto de Magalhães, foi o primeiro proprietário desta casa em 1758,370 sucedeu-lhe D. Maria Josefa Pinto de Magalhães Coelho, sua filha, que nasceu a 26 de Outubro de 1727, em Aveleda e faleceu a 22 de Setembro de 1782, com escritura dotal, e contando com um funeral de 156 padres.371 O seu filho António de Magalhães Coelho Seixas, foi também senhor desta casa. Nascido em Vilela, foi bacharel em direito pela universidade de Coimbra, Cavaleiro professo na Ordem de Cristo e Juiz de Fora de Penafiel.372

É uma residência que pertence à mesma família há várias gerações e que detinha o “Privilégio das Tábuas Vermelhas,”373 isto é, foi uma das trezentas casas do reino nomeadas por D. Afonso V para fazer a colecta de impostos, e possuía, por essa razão, determinadas regalias, a saber: não pagar impostos; os homens que viviam no seu domínio não eram obrigados a ir para a guerra; se alguém andasse fugido à justiça e entrasse na capela de Nossa Senhora de Oliveira não podia ser preso ou castigado enquanto lá permanecesse, cabendo em exclusivo ao senhor da casa a autorização decisiva.374 Manuel Pinto de Magalhães era o principal possuidor de bens e terras do lugar de Vilela, e a casa chamava-se Grande “por ser o dito Manoel Pinto de Magalhaens possuidor da maior parte dos bens daquelle Lugar de Vilella.375

            A sua história arquitectónica, como de todas as casas nobres deste concelho, é desconhecida, já que não há um contrato de obra que nos permita datar com precisão a sua construção, tal como acontece com praticamente todas as outras edificações concelhias. Não poderemos fazer, portanto, a sua cronologia. No decurso da nossa investigação deparámos com determinadas referências, que, apesar de julgarmos pouco consistentes, não queremos deixar de citar: nomeadamente a alusão a que esta casa teria sido edificada no século XVIII. No sítio da Associação de Municípios do Vale de Sousa afirma-se: “A casa mostra padrões arquitectónicos ao gosto do século XVIII, apesar das transformações do século XIX.”376

________________________________

366 - FERREIRA-ALVES, Joaquim Jaime B. - o. c., p. 18.

367 - STOOP, Anne - o. c., p. 12.

                  Começou por ser uma grande casa de lavoura, como quase todas as actuais casas nobres de Lousada. O edifício primitivo tinha apenas a dimensão dos primeiros dois panos da fachada Este, e segundo os actuais proprietários, em meados do séc. XIX, foi objecto de restauro e de acrescentos. Nos anos cinquenta da centúria de novecentos, volta a sofrer um profundo restauro, época em que é corrigido o alinhamento da cornija e do telhado. Em 1989 beneficiou de um significativo programa de obras, tal era o seu estado de degradação, uniformizando-se a fachada principal, transformando-se a portada do terceiro pano em janela e acrescentadando-se mais duas janelas. Isto é, não possuía, em 1988, no rés-do-chão, à esquerda do terceiro pano, as três janelas molduradas e gradeadas, mas sim uma portada, e só em 1989 é que foram executados tais acrescentos.

                  O corpo da fachada principal, virada a Este, foi dividido, verticalmente, por pilastras, que criaram três zonas e três panos. No rés-do-chão, no primeiro pano, apresenta-se uma portada moldurada. O mesmo ritmo acontece no segundo pano. No terceiro pano, à esquerda, vêem-se três janelas de peitoril gradeadas. Enquanto no andar nobre, no primeiro e segundo panos, se abre uma janela de sacada dupla, em cada pano, e no pano à direita, quatro janelas de sacada. A fachada Oeste, no rés-do-chão, exibe duas portadas, e, no primeiro piso, duas janelas de peitoril. Na fachada Sul, vislumbra-se uma janela de peitoril. A fachada Norte, foi dividida, verticalmente, por uma pilastra; criando duas zonas e dois panos; no rés-do-chão, à direita, há uma portada e uma janela de sacada, enquanto à esquerda se vêem duas portadas, uma janela de peitoril gradeada e uma escadaria em dois sentidos que nos conduz a uma portada moldurada com duas janelas de sacada, à direita, no primeiro andar.

________________________________

 

368 - STOOP, Anne - o. c., p. 12.

369 - Casas de Sousa Associação de Turismo Rural do Vale de Sousa. - o. c., p. 20.

370 - I. A. N./ T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 5, fl. 847.

371 - FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - Carvalhos de Basto. Porto: [s/e], 1981, vol. III, p. 90.

372 - FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - o. c., p. 90.

373 - Casas de Sousa Associação de Turismo Rural do Vale de Sousa. [s/l]: [s/e], [s/d], p. 20. Cf. À Descoberta de Lousada. - Aveleda. Lousada: Edição do Agrupamento de Escolas Lousada - Norte - Nónio Séc. XXI, 2001, p. 11.

374 - Casas de Sousa Associação de Turismo Rural do Vale de Sousa.- o. c., p. 20. Cf. À Descoberta de Lousada. - Aveleda. o. c., p. 11.

375 - I. A. N./ T. T. - Dicionário Geográfico. 1758, vol. 5, fl. 851.

 

                  No interior da capela existe uma pedra com a seguinte inscrição: “Manoel Pinto de Magalhaens Coelho e sua mulher Maria Jozefa/ Pinto de Azevedo, senhores da caza/ e pesohidores que foraõ desta quinta, da Caza Grande, chamada de Villela, nel/la mandaraõ fazer esta capella com o/ titullo de Nossa Senhora da Oliveira, com a concideraõ/ de serem seus cazeiros previlegiados como/ prvilegio das Taboas Vermelhas, das mesmas da uma de Guimarens; e nella deixaraõ/ hum legado de missas todos os domingos e dias santos/ do ano e as tres dias de Natal, enquanto o Mundo durar/. E aplicadas por modo de sufragio pellas suas almas de hum e de outro/ e pellas de seus pais. E mais de hum e de outro/, e para pagamento das ditas missas/ deixaraõ humas terras de herdade que se compraraõ/ a Maria Vieira, uma do lugar de Pinheiro, freguesia de Santa Maria de Airaens, / concelho de Filgueiras. Como taõ bem as duas besadas, chamadas de Sub-Cartaõ/ (…) tudo obrigado ao dito legado e o mais que sobejar será/ para o herdeiro dos ditos legatários e seus sucessores/. A ajuda da fabrica da dita capella e veneraçaõ della foi fe/ita esta pedra e acabada a 26 de Março de 1756. A./377

A fachada Norte da capela de Nossa Senhora de Oliveira é rasgada por um portal moldurado que tem a coroá-lo, no tímpano, uma pequena edícula; uma cruz trilobada encima o frontão. As pilastras são sobrepujadas por pináculos. Na fachada Norte, por cima do frontão, uma cruz apontada, e na fachada Oeste um portal moldurado. O campanário coroa a cornija no enfiamento do portal sendo constituído por um arco de volta perfeita, encimado por uma cruz latina e dois pináculos.                                                                                                                                                                                     

            Tanto o campanário como o portal das capelas da Casa Grande de Vilela (Lousada), à esquerda, e da Casa e Morgado de Ribaboa (Penafiel), à direita, são muito semelhantes na sua forma. Aliás, estas duas fachadas só divergem na abertura que a capela da Casa Grande de Vilela apresenta à direita da portada.     

 

 



publicado por José Carlos Silva às 20:22 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Despedidas

Eleição e abdicação

Cruzeiros de S. Miguel

Memória Paroquial de Vila...

Caminhada à descoberta do...

Lousada e os seus cruzeir...

Capela de S. Cristóvão (S...

Capela de N. Srª de Apare...

Capelas Públicas de Lousa...

Bibliografia

arquivos

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

1791

1895

abdicação

alentém

auto de patrimonio

auto_de_património

caíde

camara

caminhada

caminho-_de_ferro

capela da casa de valmesio

capela de cam

capela de valmesio

capelas

capelas_públicas

capela_cam

capela_da_lama

capela_de_s. cristóvão

capela_de_stº andré

capela_srª_aparecida

capitão_mor

carta

casa

casa de real

casa-do_porto

casa_cáscere

casa_da_bouça

casa_da_lama

cazla_do_cáscere

comarca

consulta

contrato de obra

cristelos

cruzeiros

cruzeiros de covas

cruzeiros_de-casais

cruzeiros_de_cernadelo

cruzeiros_de_cristelos

cruzeiros_de_figueiras

cruzeiros_de_lodares

cruzeiros_de_stª_margarida

cruzeiro_de_pereiras

d. pinho brandão

deputado

despedidas

dia_internacional_monumentos_sítios

doação_para_património

doação_para_patrimonio

dote

eleição

escritura_legado

jose teixeira da mota

lindo

lodares

lousada

lúcia_rosa

meinedo

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nome

novelas

ordem

paroquial

patrimonio

património

património_rural-paisagístico

penafiel

plano_de_ seminário

ponte_nova

prazo

preservar

princípio_de_instituição

processo

quaresma

quintã

restauro

rota_do_românico

s. miguel

santa ana

secretario

sermões

soares_de_moura

sousela

tapada

vale_do_sousa

vilar-do_torno

vinculo

todas as tags

links

visitante
subscrever feeds