Domingo, 6 de Dezembro de 2009

 

   Foi seu proprietário, José Freire Vieira Teixeira de Queirós, que nasceu em 1762 e nela faleceu em 1829 - Fidalgo da Casa Real, Cavaleiro da Ordem de Cristo, Capitão-mor de Leça do Balio e Donatário de S. Miguel de Cacerilhe, concelho de Celorico de Basto, e de Santiago de Rande;513 sucedeu-lhe João Pinto de Almeida Soares Faria, que faleceu em 1879 e foi Fidalgo da Casa Real.514 E à casa de Real pertenceu D. Frei Manuel da Cruz, Bispo de Mariana (Brasil), que nasceu na casa do Carvalhal e foi baptizado em 1690, nesta freguesia, Bacharel pela Universidade de Coimbra, Dom Abade do Colégio do Espírito Santo de Coimbra (1732), Definidor e Mestre do Mosteiro de Alcobaça (1738), Bispo do Maranhão, no mesmo ano, e primeiro Bispo de Mariana por Decreto de 25-4-1745;515 a ele se ficando a dever (em 1758) a reconstrução da Casa de Real, datando dessa época a capela e a estrutura do edifício que ainda hoje existe.516

________________________________

 

513 - FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - o. c., p. 31. Cf. A.D.P., Secção Notarial, Po-2, 1ª Série, Livro n.º 116, 1814, fl. 82; DINIZ, M. Vieira - A Casa De Real. Jornal de Lousada. (24 de Abril), p. 1.

514 - DINIZ, M. Vieira - A Casa De Real. Jornal de Lousada. (24 de Abril de 1948), p. 1.

515 - DINIZ, M. Vieira - A Casa De Real. Jornal de Lousada. (24 de Abril de 1948), p. 1.

516 - Procurámos este documento nos Arquivos Distritais do Porto e de Braga e não o encontrámos, por isso recorremos ao artigo do Jornal de Lousada como a melhor fonte para este trabalho. Ver transcrição do documento na página seguinte.

                  Em 1758, José Freire da Costa, abade de Vilarinho, fez, seguindo as instruções de seu tio, o bispo de Mariana, um contrato de obra com os mestres Galegos pedreiros, Pedro Gomes e Manuel Solha:” (…) Dizem-nos Pedro Gomes e Manuel Solha, mestres pedreiros naturais do reino da Galiza que nós estamos contratados com José Freire da Costa, abade de Vilarinho, de lhe fazer uma capela e casa na forma dos apontamentos e risco, tudo bem feito e seguro na forma da ley e nos obrigamos toda a pedra que for necessária para a obra tanto de escoadria como de alvenaria; a pedra de escoadria hade ser colouada no monte de S. João (…) e elle Reverendo Abbade nos dara a pedra das do Carvalhal e mais o sobrado melhor da caza e escadas do portal fronho e mais a pedra da caza de Lagoeiros (…) eu Reverendo Abbade me obrigo a dar-lhes o caldo feito de manhã e à noite e cozer-lhe o pão dando os mestres o gram.517

                  Esta casa viveu, por esta altura o seu período áureo, tendo o ouro do Brasil contribuído para o seu esplendor e fortuna. O custo total das obras ascendeu aos 868$300 réis.518

                  Tipologicamente é uma casa quadrangular com capela adossada no topo esquerdo da fachada Oeste, com pátio interior.

                  A fachada principal foi dividida por pilastras, em três zonas, criando dois panos simétricos que flanqueiam um pano central onde foi adossada uma escadaria perpendicular à fachada, de um só lanço, com patim, e volutas na parte terminal, sendo que os primeiros degraus são semicirculares. No rés-do-chão do pano central, a ladear a escadaria, ostenta duas aberturas gradeadas, e no andar nobre, ao centro, uma portada com lintel curvilíneo ladeada por duas janelas de sacada, todas molduradas a sobrepujar cachorrada.

                  No pano do lado direito, apresenta uma janela de sacada com lintel curvilíneo, e no pano do lado esquerdo, no rés-do-chão, evidencia uma portada moldurada com um lintel; no primeiro andar repete o ritmo com uma janela de sacada com lintel curvilíneo. A fachada Norte tem uma janela de peitoril gradeada. No rés-do-chão da fachada Este cinco portadas e no primeiro andar, uma janela de peitoril moldurada e do lado direito uma abertura gradeada.

________________________________

 

517 - DINIZ, M. Vieira - A Casa De Real. Jornal de Lousada. (24 de Abril de 1948), p. 1; Cf. FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - o. c., p. 31.

518 - FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - o. c., p. 31.

                  A fachada Sul foi dividida, verticalmente, por uma pilastra que criou duas zonas e dois panos simétricos. Apresenta no rés-do-chão, seis janelas de peitoril molduradas e gradeadas (três/três, pano direito/pano esquerdo), num ritmo certo, e no segundo andar, seis janelas de sacada com lintel curvilíneo que sobrepujam cachorrada (três/três, pano direito/pano esquerdo).

                  A capela está adossada ao topo esquerdo da fachada principal, virada a Oeste, tendo como invocação Nossa Senhora das Mercês apresenta; ao centro da fachada um portal arquitravado com cornija e painel superior, e frontão interrompido por volutas. A sobrepujar o portal há um óculo polifólio, moldurado e gradeado. O frontão é triangular, interrompido na base, pelo óculo; uma cruz embolada, cuja base toma forma de volutas sobreleva o frontão. Enquanto que a fachada Norte apresenta uma janela rectangular moldurada e gradeada, na fachada Este nota-se a falta da haste horizontal da cruz, (só tem a haste vertical e a base); tudo o resto está partido. As pilastras são encimadas por urnas fechadas.

 

 

 



publicado por José Carlos Silva às 15:41 | link do post | comentar

2 comentários:
De Antonio Queiroz e Menezes a 8 de Maio de 2010 às 11:24
Segundo o retrato existente na Casa de Real o meu tio sexto avô D. Frei Manuel da Cruz foi Abade e Reitor do Colégio de S. Bernado em Coimbra e não do Colégio do Espirito Santo. Foi também Doutor agregado Em Teologia da Universidade de Coimbra e ali Professor de Teologia


De António Queiroze Menezesa a 5 de Setembro de 2017 às 17:08
Na Casa de Real também nasceu Dom Frei Manuel de Queiroz, Dom Abade do Real Mosteiro de Alcobaça, Esmoler-Mor de Portugal, Donatário e Capitao-Mor de Alcobaça


Comentar post

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Despedidas

Eleição e abdicação

Cruzeiros de S. Miguel

Memória Paroquial de Vila...

Caminhada à descoberta do...

Lousada e os seus cruzeir...

Capela de S. Cristóvão (S...

Capela de N. Srª de Apare...

Capelas Públicas de Lousa...

Bibliografia

arquivos

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

1791

1895

abdicação

alentém

auto de patrimonio

auto_de_património

caíde

camara

caminhada

caminho-_de_ferro

capela da casa de valmesio

capela de cam

capela de valmesio

capelas

capelas_públicas

capela_cam

capela_da_lama

capela_de_s. cristóvão

capela_de_stº andré

capela_srª_aparecida

capitão_mor

carta

casa

casa de real

casa-do_porto

casa_cáscere

casa_da_bouça

casa_da_lama

cazla_do_cáscere

comarca

consulta

contrato de obra

cristelos

cruzeiros

cruzeiros de covas

cruzeiros_de-casais

cruzeiros_de_cernadelo

cruzeiros_de_cristelos

cruzeiros_de_figueiras

cruzeiros_de_lodares

cruzeiros_de_stª_margarida

cruzeiro_de_pereiras

d. pinho brandão

deputado

despedidas

dia_internacional_monumentos_sítios

doação_para_património

doação_para_patrimonio

dote

eleição

escritura_legado

jose teixeira da mota

lindo

lodares

lousada

lúcia_rosa

meinedo

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nome

novelas

ordem

paroquial

patrimonio

património

património_rural-paisagístico

penafiel

plano_de_ seminário

ponte_nova

prazo

preservar

princípio_de_instituição

processo

quaresma

quintã

restauro

rota_do_românico

s. miguel

santa ana

secretario

sermões

soares_de_moura

sousela

tapada

vale_do_sousa

vilar-do_torno

vinculo

todas as tags

links

visitante
subscrever feeds