Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2009

As Capelas de Casais.

         Das três capelas conhecidas em S. Paio de Casais, uma é privada (N. Sr.ª da Piedade) e as outras duas (Sr. do Calvário e St.º António) são públicas.

A Capela de St. º António.

Fica a 200 metros da igreja de Casais, acima desta; e a pouco mais de 100 metros da capela do Calvário.

No centro da freguesia, junto à berma direita da estrada principal que rasga a freguesia de Casais.

Na capela de St.º António celebra-se todos os Sábados - à tarde - a missa vespertina.

Todos os anos se realiza uma bela e concorrida romaria em honra de St.º António.

Algumas Considerações Artísticas.

         A capela é formada por nave e capela - mor, uma mais alta do que outra. Nota-se claramente que houve em primeiro lugar a construção de uma pequena ermida e que posteriormente houve um aumento, uma ampliação que respeitou integralmente a traça anterior, já que o segundo aumento, apesar de conter um maior volume manteve o mesmo estilo arquitectónico. Aliás - apesar de não haver dados que o confirmam - pode inferir-se que a ampliação teria sido feita no mesmo séc. ou época, ou por alguém que fez questão de manter a traça inicial. Inclino-me mais para uma ampliação executada na mesma época.

         É evidente que sofreu várias intervenções ao longo do tempo, já que o seu estado de conservação é bom.

         A capela de St.º António pode ser situada na 2ª metade do séc. XVIII.

         É uma construção de cantaria rebocada e pintada a branco.

         No seu alçado principal - frontão - poderemos ver um portal a meio do frontão que dá acesso ao templo e o entablamento é rematado por uma pirâmide no seu lado esquerdo, o frontão tem no seu cume, sob uma base em granito, uma cruz do mesmo material e no remate direito do entablamento uma artística sineira e pouco comum nas capelas de Lousada.

         Apanhando parte do timpano e parte da frontaria, logo acima de um aulejo rectangular com a imagem de St.º António (invocação da capela) mesmo ao centro, uma fresta mediana permite que a luz natural penetre no templo.

         No topo do frontão encontra-se, para além da cruz, uma luz eléctrica, assim como os altifalantes.

         O alçado direito permite-nos verificar que a cimalha elaborada e de granito sustenta e bem o telhado. De salientar também o portal lateral de acesso ao templo de forma rectangular, assim como uma fresta mediana aberta no granito da parede.

         Outro acrescento - e obedecendo à traça arquitectónica inicial - é uma pequena sacristia enxertada na primitiva ermida.

         Olhando para este alçado direito vêm-se ainda os remates do entablamento, em pirâmide, e as cruzes em bases de cantaria no cume dos frontões da primitiva ermida e na retaguarda (um bocadinho mais alta que a primitiva capela) da Segunda construção.

         O telhado é em telha vulgar - não deverá ser a primitiva. 

         O alçado esquerdo mostra-nos precisamente os mesmos elementos arquitectónicos, menos a sacristia que não tem. Tem é duas frestas abertas nas paredes da primitiva e da Segunda construção.

A Capela do Calvário.

         Fica situada no Lugar do Calvário. É a parte final duma Via Crusis. As 14 cruzes que aqui se encontram pensa-se que serão do séc. XVI ou princípios do séc. XVII. É natural que a capela seja mais tardia, do séc. XVIII.

         As várias cruzes dividem-se desde a igreja paroquial até à capela do Sr. do Calvário. Esta fica num alto de difícil acesso, mesmo que alcatroada a rua. É íngreme.

         Ainda na actualidade, em dia de Sexta feira Santa, se pratica a Via - Sacra ao longo das citadas cruzes. O percurso, todo ele, é feito numa ordem ascendente, a partir da igreja paroquial e culminando na capela do Calvário.

Algumas Considerações Artísticas.

         Julgo não errar se situar a capela do Sr. do Calvário nos inícios do séc. XVIII.

         É uma capela de uma só nave, em cantaria, com junta tomada e fitada e que sofreu ao longo dos anos várias intervenções. É no seu alçado principal que reside o maior interesse de análise arquitectónico. O alçado direito e esquerdo não têm qualquer pormenor relevante.

         É contudo uma construção equilibrada e interessante.

         A sua fachada principal - a frontaria - é pentagonal. Coisa rara nas capelas de Lousada. Quer dizer que seu frontão e tímpano são diferentes de quase todos os outros, o que permite que a torre sineira (sem sino) assente numa base plana. Torre sineira artística, em arco, e que suporta uma pequena cruz em pedra e esta por sua vez serve de base a uma “artística” e moderna cruz em ferro e fibra branca para iluminar e sinalizar o local onde se implanta o templo; na parte final da cruz encontra-se um artefacto em ferro com uma lâmpada eléctrica (também com a função de assinalar o sagrado).

         As duas pilastras salientes - cada uma na sua extremidade - têm na sua parte final o entablamento que é rematado por pináculos em forma de cones assentes em bases graníticas.

         Mesmo no centro da fachada principal, um portal dá acesso ao templo. No tímpano, a meio deste, tocando a cimalha, encontra-se uma abertura em forma de losango, a que até podemos chamar “óculo”, mas que é uma forma de representação pouco usual em capelas de Lousada.

         O alçado esquerdo deixa-nos ver o aparelho com junta tomada e fitada, o telhado e as telhas a assentarem na cimalha elaborada e em granito. Um portal - praticamente a meio - rasga a parede granítica e dá acesso ao templo.

         O único alçado coberto a azulejo em padrão, é o alçado principal. O azulejo é azul, formando uma roseta, que presumo seja deste século, já que não consegui Ter acesso a documentos do restauro em que o azulejo foi colocado.

         Linda capela, com artísticas linhas arquitectónicas e com o seu local de implantação a necessitar de melhoramentos.

 



publicado por José Carlos Silva às 10:17 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Despedidas

Eleição e abdicação

Cruzeiros de S. Miguel

Memória Paroquial de Vila...

Caminhada à descoberta do...

Lousada e os seus cruzeir...

Capela de S. Cristóvão (S...

Capela de N. Srª de Apare...

Capelas Públicas de Lousa...

Bibliografia

arquivos

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

1791

1895

abdicação

alentém

auto de patrimonio

auto_de_património

caíde

camara

caminhada

caminho-_de_ferro

capela da casa de valmesio

capela de cam

capela de valmesio

capelas

capelas_públicas

capela_cam

capela_da_lama

capela_de_s. cristóvão

capela_de_stº andré

capela_srª_aparecida

capitão_mor

carta

casa

casa de real

casa-do_porto

casa_cáscere

casa_da_bouça

casa_da_lama

cazla_do_cáscere

comarca

consulta

contrato de obra

cristelos

cruzeiros

cruzeiros de covas

cruzeiros_de-casais

cruzeiros_de_cernadelo

cruzeiros_de_cristelos

cruzeiros_de_figueiras

cruzeiros_de_lodares

cruzeiros_de_stª_margarida

cruzeiro_de_pereiras

d. pinho brandão

deputado

despedidas

dia_internacional_monumentos_sítios

doação_para_património

doação_para_patrimonio

dote

eleição

escritura_legado

jose teixeira da mota

lindo

lodares

lousada

lúcia_rosa

meinedo

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nome

novelas

ordem

paroquial

patrimonio

património

património_rural-paisagístico

penafiel

plano_de_ seminário

ponte_nova

prazo

preservar

princípio_de_instituição

processo

quaresma

quintã

restauro

rota_do_românico

s. miguel

santa ana

secretario

sermões

soares_de_moura

sousela

tapada

vale_do_sousa

vilar-do_torno

vinculo

todas as tags

links

visitante
subscrever feeds